sábado, 19 de fevereiro de 2011

sursis


emudeceram-me a voz e os dedos
emudeceu-me o metafórico
coração

sumiram-me os poemas

deixaram-me o olhar turvo
o corpo cansado
a vida vazia

sem explicação

ter-me-á abandonado
definitivamente
a Poesia



Márcia Maia


5 comentários:

Celso Mendes disse...

Pode ter certeza de que não, minha amiga. A Poesia mora em você. E a prova está em conseguir fazer um poema tão belo sobre isso.

Leonardo B. disse...

[tanto universo, que não desaparece assim de dentro da mão, sem rasto de verso, não: ela está dentro, assim]

um imenso abraço, Márcia

Leonardo B.

CARLA STOPA disse...

Os teus versos indicam completamente o contrário...Adorei teu espaço.

Maria G. disse...

É o receio de todo o poeta.
A poesia cativa e quem cai a nas suas malhas não mais se liberta.
Mas este poema é a prova viva da sua presença.

M.G.

heretico disse...

estou certo que não - a Poesia possui-te...

espera a Hora, apenas.

beijos