segunda-feira, 18 de novembro de 2013

alternativa


um galo
[o mesmo que não tece a manhã]
canta alto no calor da tarde

[são três e meia]

na tentativa de
                     mudando o parâmetro
[para póstumo espanto do poeta João]
súbito


tecê-la



Márcia Maia©


6 comentários:

hfm disse...

Gostei tanto, Márcia.

wind disse...

Desejo-te um excelente Natal na companhia dos teus:)
Bjs

Lê Fernand's disse...

doce...

Marilia Kubota disse...

achei teu blog!

h.m. de Oliveira disse...

como é ímpar se inspirar nos maiores...

Vitória Lima disse...

E no entanto, mais que nunca é preciso cantar. já cantava Elis Regina, nos anos sessenta...