sexta-feira, 9 de setembro de 2011

a vista distorce o espelho


três mil mortos
dois prédios em escombros
mais um cachorro homenageado com lápide e tudo

                            duzentos e quarenta mil mortos
                         uma cidade em instantes arrasada
       mais cachorros às pencas sem nenhuma lápide

o clamor urdido
                pelos dez anos
                                do despencar
                                               das torres gêmeas
                                                não se viu não se
                                 ouviu nos eua
               em tempo algum
por hiroshima

parece que a vista distorce o espelho

                      e nem se vai falar aqui de nagasaki



Márcia Maia


2 comentários:

Nilson Vieira Moreno disse...

Belo, MM. Disse por mim e por muitos.

Beijo de saudade.

heretico disse...

excelente, minha amiga.
desassombrado Poema.

beijos