quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

quase um poema de natal


ali ali©












eu queria um natal sem luzes
sem sinos sem coroas sem presentes
sem festas de confraternização
onde se repete quase escandindo
(e à exaustão) a palavra so-li-da-ri-e-da-de

eu queria um natal mais solstício
que natal — um natal pagão —
um natal simples sem palco
onde a gente ousasse ser apenas gente
como a gente que a gente é nos outros dias



Márcia Maia


a todos vocês, meus amigos, um natal feliz.


6 comentários:

Adriana Karnal disse...

Márcia,
sua poesia é tão bela, o poema é doce...mas sabe? , amo o natal, pelo menos uma vez no ano a gente para, olha nos olhos e diz: noite feliz.Um natal gent-il pra vc, querida.

eduardo disse...

Mesmo não tendo o Natal de outros tempos, todavia, não me esqueço dos Amigos que durante já à alguns anos acompanho devido à tecnologia da Internet.

E tu, Márcia, fazes parte dessa "família" que muito prezo.

Não sei muito bem lidar com as palavras certas. Serei mais de olhares e sentimentos espontâneos. De qualquer forma, deixo expresso o meu carinho de amizade desejando-te tudo de bom nesta quadra que é de esperança.

Feliz Natal.

Um beijo grande que chegue enorme na travessia deste mar que nos separa para as minhas/nossas Princesas. Extensivo a toda a família Maia.

BAR DO BARDO disse...

bom natal

mm

bj

wind disse...

Vim desejar-te e à tua família, um óptimo Natal:)
Beijos

Mistério do Planeta disse...

rou rou rou dona moça :)

muita saúde, luz e poesia!

beijos natalinos.

Antonio Siqueira disse...

é um poema de natal...com muito carinho pela vida.
feliz natal