sexta-feira, 7 de maio de 2010

parecer


sabiam a despenhadeiros
os olhos da mulher deitada na areia
a pântanos   a mar

sabia a absolvição   a saída
o esboço de sorriso nos lábios da mulher
morta na areia

afogada — pouco antes — à hora do jantar



Márcia Maia


3 comentários:

carlos peres feio disse...

...e sabe bem voltar a ler-te...bonito!
bj carlos peres feio

http://carlosperesfeio.blogspot.com/

heretico disse...

engulo em seco. tal o murro. da saida...

talento enorme. o teu. na transfiguração (poética) do quotidiano.

beijo

dade amorim disse...

Gosto dessa capacidade que você tem de ver, tão cristalina, a poesia do trágico.