segunda-feira, 12 de março de 2012
















Todo o Azul


A Carlos Pena Filho


De tanto azul é feita
esta cidade
céu azul
mar azul
e um rio
a ousar azuis proibidos
em manguezais profanados.

Homens de negros cabelos
azuis
e mulheres de peitos despudoradamente
azuis
tecem nos bares da cidade
a trama dos sonhos
reinventada a cada
madrugada
igualmente azul
enquanto mendigos e cães
se confundem
no azul melancólico das
calçadas.

Ah, Carlos
Recife continua azul
embora velho, doente
distante e saudoso do teu tempo
mas sempre
irremediavelmente
azul!



Márcia Maia


2 comentários:

mfc disse...

E apesar do azul os contraste são gritantes... apesar de em fundo azul!

Estevão Moura disse...

Marivilhoso esse seu poema azulado Márcia. Um beijo pra ti!