sábado, 19 de junho de 2010

garimpo


busco a palavra exata
que diga do que penso
            e nunca sinto
palavra-abismo
     de espaços vastos
palavra-nada
— como pedra —
lava de vulcão extinto



Márcia Maia


3 comentários:

Adriana Karnal disse...

além da beleza semântica do poema, tem a estética dos sons das consoantes, nada-lava,palavra-pedra.Lindo.

dade amorim disse...

Lindo lindo, Márcia, este garimpo de ótimo resultado.

Hoje você está no Poema-amigo lá no Inscrições, e eu toda contente.

Beijos para a semana inteira.

heretico disse...

pedras vivas. as palavras. tuas...

admiravel talento.

beijo