segunda-feira, 5 de abril de 2010

trama

clarence john laughlin©
















invento a dor que pressinto
e nada sinto — acrescento
noutro momento desminto
minto ser dor meu tormento
dor que consinto é-me alento
falso alento não consinto
mais dói se em tormento minto
desminto após um momento
dor acrescento à que sinto
e à que pressinto se invento



Márcia Maia

2 comentários:

OrCa disse...

Quando se está poeticamete ali, dificilmente se deixará de estar poeticamente aqui.

E se o ali, de úbere ingente, repousa, o aqui desassossega quem ousa.

- Tanto mar e tanta vida não me libertam para quanto eu quereria... Mas, chegado ao novo sítio, tudo perdura, tudo perdoura. E é bom saber isso.

Beijos

procivil disse...

MM,
você sabe que eu amo essas coisas, né?
sabe que sim, pois sim?
ah, diga que sabe...vai, diz...rs

belo!